A ÚLTIMA MÚSICA (NICHOLAS SPARKS)




Bom dia pessoal, tive alguns probleminhas,porém agora estou aqui com vocês novamente e claro de problemas resolvidos!!!! Isso que importa!!!
Bom, então bora dar mais dicas de livros por aqui e hoje pra ganhar o dia, resolvi falar sobre o livro muito bem comentado e o filme é incrível, Liam lindo como sempre e apesar da digníssima Miley hoje em dia estar um tanto diferente.. Enfim.. o resumo logo abaixo pra vocês, vale a pena ler e ver o filme. ;)

Verônica Miller (Ronnie) vê a sua vida girar 180º quando os pais se divorciaram e seu pai decide ir morar em Wrightsville, Carolina do Norte. Três anos depois, ela continua magoada e distante dos dois; particularmente, dele. Misteriosamente, sua mãe decide que os filhos passariam as férias de verão com o pai no litoral. Steve, ex-pianista, vive em paz na cidade costeira, absorto na criação de uma obra de arte que será a peça central da igreja local. Ressentida e revoltada, Ronnie rejeita toda tentativa de aproximação dele e ameaça voltar para Nova York antes do verão acabar. Mas ela conhece Will, o garoto mais fofo do lugar e, conforme vai baixando a guarda, começa a apaixonar-se profundamente por ele, abrindo-se para uma nova experiência que lhe proporcionará uma felicidade e uma dor jamais sentidas. Uma história inesquecível de amor, carinho e compreensão – o primeiro amor, o amadurecimento, a relação entre pais e filhos, o recomeço e o perdão – A ULTIMA MÚSICA demonstra, como só Nicholas Sparks consegue, as várias maneiras que o amor é capaz de partir e curar seu coração.



A Última Música. The Last Song. Nicholas SPARKS. Ed. Novo Conceito, 2010, 383 p. Trad.Marsely de Marco Martins Dantas.




Ela é a mais rebelde de Sparks e não poderia ter tido uma melhor atriz para interpretá-la, [exceto, possivelmente, Dakota Fanning]. A própria Miley escolheu o nome "Veronica / Ronnie" para a personagem, segundo os agradecimentos de Sparks, no início do livro, nos revelam. Esta é uma bela história, emocionante e, por vezes, revoltante, sobre como podemos "quebrar a cara bonito", várias vezes, antes de entender o que realmente importa na vida. É mais um livro que conheci após o filme, e mais uma história que me gerou sentimentos paralelos.



Famílias felizes são todas iguais; cada família infeliz tem sua própria maneira infeliz de ser. (Tolstoi, citado na p. 129)

Direitos para canto e conto. 


Bom... é isso por hoje.. beijo beijo e amanhã tem mais!!!

3 comentários:

Ariádne Tamires disse...

Eu adoreo o filme e depois amei o livro, que sem dúvidas foi bem melhors rs
A Miley está incrível mesmo no papel de Ronie :)

beijos.
tamigarotaindecisa.blogspot.com.br

Bell Iakovenko disse...

Eu Li esse livro faz alguns anos. Eu gostei bastante da história. Alias, foi minha primeira leitura do Nicholas Sparks. Esse livro me deixou com vontade de ler Anna Karenina do Leon Tolstoi, que é a citação que vc fez. :)

Beijos,
Bell

http://contosdoguerreiro.blogspot.com.br/ ( se puder, segue lá)

Izabella Girão disse...

Olá!
Assistir o filme, e confesso não foi muito bem o que eu esperava, mas é uma verdadeira crueldade assistir um filme que exista um livro antes para ser lido.
Não acho uma estória assim tão cativante na minha opinião, mas para uma boa crítica é preciso ler e assistir também.

É uma pena a capa carregar uma personalidade tão diferente da personagem do livro. Mas ninguém poderia adivinhar não é mesmo?

Espero que me faça uma visita no meu blog. Beijão!
http://bellaletra.blogspot.com.br/

Postar um comentário